Posts Recentes
Posts Em Destaque

Dia Internacional contra a discriminação racial

Por Gabriele Felix


O Dia Internacional contra a Discriminação Racial é celebrado anualmente em 21 de março, uma importante data que reforça a luta contra o preconceito racial em todo o mundo.


A luta contra a discriminação racial no Brasil começou a se intensificar após a Constituição Federal de 1988, que incluía o crime de racismo como inafiançável e imprescritível.


Neste texto vamos abordar temas como o racismo, cotas raciais, violência policial e o movimento black lives matter.

A Origem da data

A data do dia 21 de março é conhecida internacionalmente como o Dia internacional contra a discriminação racial. Dia este que foi instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1966, em memória às 69 vítimas fatais do “Massacre de Sharpeville”, ocorrido na África do Sul.

No dia 21 março de 1960, na cidade de Joanesburgo (África do Sul) um grupo grande de pessoas faziam uma manifestação contra a Lei do Passe, que obrigava a população negra a portar um cartão que continha os locais onde era permitida sua circulação. Mesmo sendo considerada uma manifestação pacífica os policiais em regime de apartheid abriram fogo contra a multidão, resultando em 69 mortos.

Desde então, uma série de iniciativas nacionais e internacionais têm sido implementadas para eliminação da discriminação racial.


Racismo no brasil

Não podemos falar de racismo, sem antes falarmos sobre o período escravocrata que durou por volta de 300 anos.


As pessoas de origem africana eram trazidas à força ao Brasil de forma desumana nos porões dos navios, pela duração longa da viagem, muitas pessoas acabavam morrendo no trajeto. Ao chegarem no Brasil, essas pessoas eram comercializadas e escravidas, onde sofriam todo o tipo de tortura e humilhação, junto com mortes, abusos e estupros.


O Brasil, foi o último país no mundo a abolir a escravidão. E quando ela “acabou” não foi oferecido nenhum suporte, indenização ou até mesmo foi criada uma política de integração social para que os mesmos pudessem seguir com uma vida digna.


Assim, os milhões de escravizados foram expulsos das fazendas que viviam. Como eram proibidos de estudar, foram empurrados para as margens da sociedade, em situação de miséria.


O racismo, preconceito contra pessoas pertencentes a uma determinada etnia, carrega a divida da escravidão, por muitos anos as pessoas de pele branca eram vistas e se empunham como superiores as pessoas de pele negra. E está presente de inúmeras formas no Brasil, como em expressões usadas da língua portuguesa,limite do acesso à educação, oportunidade de trabalho, violência policial, injúria racial, preconceito religioso, criminalização da cultura negra, sexualização dos corpos negros, entre outros.


Como funcionam as cotas raciais?


As cotas raciais são destinadas às pessoas negras e pardas em vestibulares, provas e concursos públicos.Visando, acabar com a desigualdade racial e o racismo estrutural resultantes de anos de escravidão no Brasil, que ainda excluem pessoas negras e indígenas da universidade, do mercado de trabalho e dos espaços públicos.


Aproximadamente, metade da população brasileira é considerada negra ou parda, porém, essa população ainda está excluída do ensino superior e ocupam cargos de menor qualificação nas empresas.


Atendendo a reivindicações de movimentos sociais, o Poder Legislativo teve de criar leis específicas para estabelecer ações afirmativas para ingresso de pessoas pretas e pardas em cursos superiores e em concursos públicos para órgãos e empresas da administração pública federal. A justificativa dessas leis encontra-se na falta de igualdade racial e representatividade de pessoas nos cursos superiores e nos cargos públicos.


Violência Policial, e a população carcerária

A invasão de policiais em comunidades e favelas, em que os moradores são predominantemente pessoas negras